30.4.03

Eletroapatia

Certamente voce conhece alguem que tem isso.

Eletroapatia nao eh o termo oficial. Eu mesmo batizei esse infeliz estado com este nome.

Algumas pessoas tem verdadeira proximidade "emocional" com aparelhos eletro-eletronicos, desde uma simples torradeira ate um veloz e caro computador. Essas pessoas tem uma especie de facilidade intrinseca em utilizar estes aparelhos. Quando essas pessoas estao proximas de placas eletronicas, fiacoes, fusiveis, parece que um ar paranormal se instala nas proximidades, e maquinas nao travam, televisoes nao pifam, buzinas voltam a funcionar, sistemas operacionais ficam estaveis (menos o Windows Millenium, claro).

Eletroapaticos sao exatamente o oposto destas pessoas. Eles conseguem aplicar a mesma onda paranormal, mas no "sentido inverso". As torradeiras travam e o pao sai de la mais torrado do que um porta canetas do World Trade Center no dia 12. Aquela televisao novissima, com tela plana, recepcao digital, 3478 canais disponiveis simplesmente se nega a funcionar como diz o manual. O computador trava, ate na hora de jogar paciencia. O relogio do microondas zera cada vez que um eletroapatico faz uso do aparelho.

Pessoas assim sao desafios para a sociedade moderna, e muitas vezes os proprios eletroapaticos nao se dao conta de seu estado.

Na parapsicologia isso tambem eh conhecido como eletrocinese, ou seja, pessoas que tem capacidade de alterar e influenciar campos eletro-magneticos, mesmo sem o devido conhecimento e controle.

Acho este fenomeno muitissimo interessante, mesmo porque conheco alguns portadores deste "poder". Mas alguns nao sao genuinos. Sao apenas pessoas que nao tem costume de utilizar certos aparelhos. Ha alguns anos meu pai nem conseguia salvar um documento no Microsoft Word, uma amiga ate hoje nao programa seu proprio video cassete, por considerar "muito complicado", uma ex-colega de trabalho vivia tendo problemas com seu Outlook, e normalmente era devido a configuracoes erradas. Essas pessoas nao sao eletroapaticos. Estao mais pra intolerantes com certas tecnologias, ou sao completamente destreinadas para usar determinados aparelhos.

Contudo, conheco duas pessoas que realmente tem a capacidade de embaralhar dados em disquetes, desregular relogios de microondas, fazer radio-relogios nao despertarem. Essas duas pessoas sabem quem sao, entao nao preciso nomea-las aqui. Contra os poderes de um dessas pessoas o meu computador ja desenvolveu certa resistencia. Hoje em dia ele trava muito menos e se comporta muito bem na presenca deste nemesis. Infelizmente meu antigo microondas nao atingiu tamanha capacidade de resistir.

A outra pessoa eu tambem conheco ha muito tempo, como a primeira.

Neste minuto voces podem ate estar se perguntando: "que diabos de post eh esse?". E eu respondo. Este post esta aqui so pra mostrar o que esta segunda pessoa fez com a configuracoes do meu teclado. Mesmo sem ter tido a intencao de acabar com os meus acentos e me colocar num bloqueio ortografico tambem (alem do literario), ele conseguiu. E agora nao tem diabos que faca os meus acentos voltarem ao normal.

Curiosamente ele acabou de chegar na minha casa e me disse pra eu nao fechar a macaneta do carro dele, pois depois o sistema que trava as portas da pau... ahahah grande novidade! Pouco vou me assustar se eu nao conseguir nem publicar este post, com ele aqui ao meu lado!

See Ya

   29.4.03

Blog dos erros

Putz, tem coisa pior do que blogueiro desinformado? Não, não tem!!

Dessa vez eu não só estava desinformado e desatualizado, como postei as informações erradas. Não achei que as erratas viriam tão rapidamente parar por estas bandas, mas se até brochar aqui eu já brochei... Ahhh vocês já são de casa. Tão olhando o que? Pega logo um papel e anota, pois eu só vou falar dos erros uma vez.

Primeira gafe. Menos importante, mas existente. Eu disse que Como perder um homem em 10 dias estreou na sexta. E é mentira. Estreou antes. Pelo que me disseram. De qualquer forma, se alguém perdeu o filme por conta do meu erro, fico contente de não ter colaborado com o apodrecimento do cérebro de niguém.

Segunda gafe. Essa é bem séria, mas vou tentar me redimir. Acontece que eu li o post do assassinato do grilo num blog chamado Copy & Paste, que publica trechos de outros blogs, como forma de divulgá-los. Pois o pateta aqui achou que quem tinha matado o grilo tinha sido o Ratapulgo, editor do C&P. Mas não foi. Foi um outro blogueiro, chamado Pedro, de um blog conhecido como Utopia Dilucular. Então o alvo de nossos vingativos e adoráveis grilos é este outro incauto blogueiro, que além de matar e pisotear o pobre coitado ainda teve este bizarro acontecimento divulgado aos quatro cantos da Internet (que porra seria um canto da Internet?).

Ahhhh e antes que você corra pra ver o nome errado na história dos grilos pra tirar sarro com a minha cara: já editei o post!!

Anotou? Não? Nem insiste que eu não vou repetir.

Quando isso virar um blog eu repito. E paro de errar!!

See Ya

Tortura

Ele está na minha frente,
com a promessa de ser defunto.
Ele não para mais de agonizar,
é como a galinha que deve-se cortar o pescoço sem dó,
porque com dó não a matamos,
só a ferimos e ela sai pulando com seu pescoço gravemente
machucado, agonizando sem fim com a promessa de morrer.
Não tenho coragem de acabar de cortar sua cabeça fora.
Não tenho competência para salvá-lo.
Agora que ele agoniza sem fim,
eu vivo nessa angustia sem fim.
Salvar? Como? Acabar de matar? Comer? Não tenho coragem.
Eu ainda amo essa galinha.
Mas essa fome me tortura.


Nossa!!! Adorei a poesia. É poesia isso? Sei lá. Não entendo nadica de poesia. Mas gostei. Tocante. Fiquei me sentindo meio como uma galinha. Essa galinha aí acima.

Não é de minha autoria.

Quem escreveu? Autora desconhecida. Desconhecida por vocês, claro!! =)

See Ya

   26.4.03

Fim de semana sem grilos

Pensou que tinha segunda parte da história hoje, né?

Pois, dançou!!! Isso aqui não é novela, não!!! Segunda parte só na semana que vem.

Estão curiosos pra saber qual lição o sr. Pedro vai ter? O mundo dos insetos não será o mesmo depois desta história.

E pra quem vai aproveitar o sabadão, algumas dicas:

Pra quem gosta de música eletrônica, mas muita música eletrônica, vale a pena conferir o Skol Beats, que acontece hoje e vai até amanhã de manhã. Pra quem esteve em outro planeta nos últimos anos, o Skol Beats é uma mega festival de música eletrônica, que só esse ano vai reunir 70 apresentações (entre eles os feras Dave Clark e Green Velvet).

Acontece no Anhembi. Não é uma balada barata (R$65,00 + R$15,00 de estacionamento). Não é um lugar muito legal pra se ir de condução, mas como só acaba amanhã de manhã, talvez valha a pena.

Ahhh e já está rolando, tá? A balada começou as 14 horas de hoje!

Pra quem não curte música eletrônica, ou não está afim de desembolsar essa pequena fortuna, como eu, pode ir ao bom e velho cinema, que de sábado não é uma ótima pedida (eu prefiro durante a semana), mas enfim é sempre um programa legal.

No circuito comercial não há nenhuma grande estréia. Apenas o manjadíssimo Como Perder Um Homem em 10 Dias (por favor, se alguém aí é fã desses filmes mais do que manjados, veja se melhora suas opções de filmes, ou daqui a pouco seu cérebro vai apodrecer e você não vai mais entender os posts do Quando Isso) e a versão restaurada de La Grande Illusion de Jean Renoir, que fala sobre a vida dos militares (franceses e alemães) durante a Segunda Guerra Mundial. Aliás, parece que o tema (WW2) está em alta novamente, né? Particularmente já cansei de ver por todos os ângulos os sofrimentos, alegrias e versões da guerra que gerou o holocausto.

Fora as estréias, ainda tem bons filmes, como Durval Discos, Carandiru e 8 Mile (veja os meus comentários ali na barra lateral direita), que eu recomendo mesmo. Os dois primeiros ainda não vi, então é por conta e risco.

Bom final de semana pra vocês. Por hoje é só, pe-pe-pessoal!!!

See Ya

   25.4.03

Os Grilos - Parte Um

Dois grilos chegaram ao Paraíso. Paraíso dos grilos, claro. Um jardim enorme, e, pra encurtar a história, com muitas coisas que os grilos gostam. Pronto. Chegaram lá. Encontraram-se na porta, logo depois de serem admitidos por São Pedro, que acumulou esta função de porteiro do Céu dos Grilos e por isso leva mais algum por fora. Dizem que Ele aprovou e assinou tudo, mas vai saber.

Bom, maracutaias celestiais à parte, os grilos se encontraram.

- Opa!! Tudo bom?
- Tudo bom porra nenhuma. Estamos mortos!
- Sério? E eu pensando que fosse ficar vagando pela cidade por anos.
- Ahhh tá achando que isso é livro, mané? Isso aqui é vida real. Bem que o desgraçado que me mandou pra cá avisou. Ficou me falando um monte de idiotices, e eu só querendo sair do cesto de lixo. Tinha bosta grudando na minha asa e o palhaço ainda veio tirar uma comigo. Onde já se viu humanos e grilos conversando. Só aquele cara mesmo.
- Nossa, que coincidência, comigo aconteceu a mesma coisa. Eu tava lá, parado, na parede, numa boa. E veio um fulano com um papo estranho de odiar insetos e comer grilos. Ahhh esses humanos!!!! E aí sem mais nem menos veio e me deu um murro. E aqui estou eu.
- Um murro?? Sorte a sua. Eu rastejei por um percurso enorme depois de levar 3 chineladas do meu carrasco. E só depois disso ele deu mais algumas pra me matar de vez. Sádico, lazarento.
- Bom, agora é aproveitar e curtir o paraíso.
- Aproveitar uma ova. Temos que nos vingar.
- Temos?
- Claro, porra!!! Vai deixar barato uma atrocidade dessas. Um murro? Chineladas? Eu tinha um encontro naquela noite, sabia?
- Ahhh não sei não. Nunca gostei desse negócio de vingança.
- Deixa de ser covarde, grilo!! Você já reparou como esses bichos, os humanos, são asquerosos! Eles não merecem a vida que tem. Não fazem nada por ela. E ainda matam grilos!!! Isso é demais. Não sei você, mas eu vou fazer alguma coisa a respeito.
- Mas como?? Nós já morremos.
- Sou um grilo morto, mas não um grilo burro.
- Se você tá falando.... Bom, eu não conheço ninguém aqui. Só você. Talvez eu te acompanhe.
- Olha, você não tá com raiva do cara que te matou?
- Ahhh, sei lá!!

O grilo mais estressado deu uma reboladinha e levantou a antena esquerda:

- Já pensou se o fulano tivesse te comido?
- Putz!!! Aí sim eu teria ficado puto. Muito puto.
- E como você sabe que ele não te comeu depois de morto.
- Bom, eu diria que.. ahh, bem... ele não teria... (pequena rebolada) ... FILHO DA PUTA!!!!!
- Eu disse. Os caras precisam de uma boa lição.
- Comedor de grilos dos infernos!! Vamos acabar com a raça dele!!!
- Ahhh agora sim você está parecendo um grilo de verdade.
- O que vamos fazer?? Por onde começamos.
- Não se preocupe. Eu tenho um plano. Primeiro temos que saber os nomes e paradeiros dos assassinos. Isso é fácil. Tá no livro daquele velhinho de barba aí no portão. Vamos lá conversar com ele.
- Tá, mas fala você!!

E lá foi o grilo mais estressado até o portão.

- Olá. Dá licensa??
- ...
- Alô.. Por favor, eu queria uma informação.
- O que? Hã? Ahhh você estava falando comigo? Pode falar um pouco mais alto, por favor?
- A gente queria uma informação!!!!
- O que?
- UMA INFORMAÇÃO, PORRA!!!!
- Porra? Não temos porra aqui. Isso é o Céu, seu grilo depravado.
- Ai, puta que o pariu!!!!
- Hã!?!
- NADA NÃO. É O SEGUINTE, EU QUERIA SABER SE VOCÊ TEM NESSE LIVRO AÍ O NOME DE DOIS ASSASSINOS DE GRILOS!!
- Grelos?!?!
- GRILOS!!!
- Grelos?!?!
- TÁ FAZENDO DE SACANAGEM, NÉ?
- Grelo do que???
- Ah, vai passear, velho surdo!!!!!!

E o grilo mais estressado foi saindo, revoltado. Encontrou o outro:

- Ahh esquece, o velho do portão é uma porta, e não vai ajudar.
- Não precisa, enquanto você distraiu ele, eu subi na mesa e li o livro dele.
- Porra!!! Pra um grilo que há dez minutos não dava a mínima por ter sido assassinado, você até que ficou esperto.
- Quer saber ou não os nomes?
- Claro!! Diz aí.
- Marco Aurélio é o seu assassino, e o comedor de grilos lazarento chama-se Pedro.

Algumas reboladinhas e antenas se mexendo foram suficientes para o grilo mais estressado asimilar os nomes e bolar seu plano maquiavélico.

- Certo. Perfeito. Parabéns pelas informações, pequeno gafanhoto, digo, grilo.
- Ok. E agora, o que fazemos?
- Eu já tenho um plano. Consiga mais informações sobre esses dois, deve ter num dos livros do velho surdo. Nossa primeira vítima vai ser o pobre do Pedro. Vamos ver o que ele é capaz de aguentar.... hehehe

++ FIM DA PRIMEIRA PARTE ++

See Ya

Fiéis leitores

Este post é só pra agradecer a todos que tem lido e/ou comentado aqui no Quando Isso.

Agradecimentos especiais para o pessoal do Yázigi (olha, fui eu que fiz o site deles. Mas isso foi no passado. Se o pessoal da OPUS tiver feito alguma cagada por lá depois disso, eu não me responsabilizo), que é uma galera muito legal e que sabe fazer ótimas viagens, onde dá pra zoar muito!!!!

Além disso, um abração pro Pajé que consegue ser tão espirituoso ao vivo quanto em seus comentários. É nóis, mano!!!

E um beijão enorme pra Elaine, que tem sido co-pilota habilidosa deste blog.

Se eu esqueci alguém, bem.. já era, só nos próximos agradecimentos. E olhe lá. =)

Então. Chega, né? Isso aqui já tá parecendo o Xou da Xuxa. Um beijo pro meu pai, pra minha mãe e pra você. Eca!!

See Ya

Fabricio

   24.4.03

Isso nunca tinha me acontecido antes.

Tentei uma. Tentei duas. Tentei três . Se fosse sexo eu tava indo comprar uns viagras.

Mas não era. Era esse post aqui. O post de hoje. É. Isso mesmo.

Era pra ser algo bem legal, interessante, que falasse sobre as metafísicas da vida, ou sobre as ironias de uma cidade como São Paulo, ou ainda da política rebuscada que nos oferecem os telejornais. Procurei em tudo que foi canto, revirei e remexi os mais vastos e obscuros lugares da minha mente e nada muito consistente apareceu.

Por vezes temo entrar num bloqueio literário. O último começou quando eu tinha 11 anos, e durou dois longos e difíceis anos. Mas naquela época eu não sabia o que era brochar.

Ahammm.. quer dizer, não que eu saiba agora.. hehe. Mas no fim é isso mesmo. Minha primeira brochada no blog.

Vão, vão.. agora já podem ir. Façam cara de que estão gostando, que estão lendo algo inteligente e interessante. E voltem amanhã pra ver se já melhorou.

Alguém tem um cigarro?

See Ya

   23.4.03

Paradoxo I
- Quando eu não vou com a cara de alguém eu não faço "boas caras" pra essa pessoa. Uma vez eu bati a porta do carro na lateral do carro de uma pessoa, quando encontrei o carro dela estacionado ao lado do meu.
- Nossa, que absurdo!!!!! Você amassou a porta do carro dela?
- Sim.
- Você é muito ruim.
- Todo mundo é. Eu só admito.


Paradoxo II
- Ahhh quando eu não gosto de um pessoa eu ignoro mesmo. Faço que não vejo a pessoa, não cumprimento, não olho na cara. Ignoro mesmo.
- É, você não dá a mínima pro sentimento do outro, né?
- Isso mesmo.
- Você acredita em Deus?
- Claro!!
- Olha só isso: eu que sou ateu, não acredito em porra nenhuma, e que, a princípio, deveria ser materialista, dou muito mais valor para o sentimento de uma pessoa do que para a porta do carro dela, como você.
- ...
- Mundo paradoxal e irônico, não?

PS: eu sou o ateu.

   17.4.03

Conto de Páscoa - baseado em ovos, digo, fatos reais

Família feliz. Na verdade, uma família comum, simples, padrão, mas que achava que isso era felicidade. Pai, mãe e filho.

Semana da Páscoa. Quinta-feira. Lojas de chocolate e supermercados lotados devido à proximidade de mais uma data comercial, digo, religiosa.

A criança estava maravilhada de ver tantas pessoas, tantos presentes, tanto chocolate, tantas coisas diferentes do seu dia-a-dia. Para o bem desta história, os pais não estavam tão maravilhados assim. Filas, congestionamento, preços altos, pessoas sem o menor sinal de educação, enquanto eles faziam as compras para o final de semana prolongado que passariam na cidade.

De longe a mãe viu um daqueles oasis que se localizam em supermercados. Aquelas salinhas coloridas, reservadas, cheias de televisões e brinquedos para distrair as pestinhas, digo, as crianças, enquanto seus estressados pais se estapeiam por um lugar na fila ou por uns míseros ovos de chocolate. Não demorou muito e para lá foi enviado nosso protagonista que, anunciado tardiamente, é um garotinho, inocente como um menino de 6 anos deve ser, e com toda sua curiosidade aguçada.

Logo que entrou no lugar, os sons da sala de recreação, os video-games, os cubos-coloridos-gigantes, as outras crianças correndo pra todos os lados, as "tias" pacientemente, ou quase, monitorando toda aquela bagunça, chamaram a vívida e dedicada atenção do garoto. Contudo, uma atração em especial prendeu os olhos do menino e logo ele estava perto de uma paisagem montada ali mesmo, onde coelhos reais passeavam. Coelhos de páscoa reais!!! Branquinhos, peludos, de olhos vermelhos e nariz rosado.

Totalmente tomado de euforia e admiração, nosso herói acariciou os coelhos, um a um, enquanto observava o resto do cenário onde estavam essas criaturas tão encantadoras. Qual não foi a surpresa dele, quando percebeu que todas aquelas histórias eram realmente verdade. E lá estavam os ovinhos de chocolate "botados" pelos coelhos. Montes e montes, por todo o cenário, aquelas bolinhas marrons encheram, a princípio, os olhos do garoto.

Entretanto, antes que uma "tia" pudesse ver, elas também estavam enchendo as mãos e, principalmente, a boca do nosso emporcalhado herói.

Alarme na salinha. "Tias" segurando o garoto que ao ser descoberto pensou ter sido pego roubando o precioso chocolate e enfiou quantos pôde na boca. Leite. Litros de leite goela abaixo e uma mãe histérica antes que tudo terminasse.

Mas tudo ficou bem. Nosso herói saiu sem traumas. Ou quase. Apenas um gosto voraz por chocolate meio amargo!!!

Boa Páscoa e até semana que vem!!!!

See Ya

   16.4.03

Desconfiança

Felizmente esse diálogo, que também não sai da minha cabeça, não aconteceu comigo.

Ela, fuçando na agenda do celular dele:
- QUEM É ESSA ANDRÉIA???
Ele, calmo como uma noite de inverno na praia:
- Depende.
Inclina-se para olhar o número para o qual a namorada furiosa olhava.
- Nesse caso... é a sua irmã.

See Ya

The ape was great big hit

Se você é do tipo que foge de qualquer coisa que cita ou lembra o nome de Marilyn Manson, não se desespere. Não estou aqui pra falar que ele é o máximo e o melhor músico do planeta. Tampouco pra dizer que ele é o Anticristo ou que dizem que ele come cocô.



Na verdade estou me sentindo um pouco agressivo hoje. Então pensei em descontar em vocês (hehehe), digo, então pensei em escrever sobre algo que me lembre ódio, violência e agressão. Indispensável dizer que o nome do bizarro, esquisito e carismático (?) cantor me veio à mente. Então que seja.

Já ouvi de tudo sobre ele. Tudo! Coisas bizarras, como quando disseram que ele extraiu seu par de costelas inferior para poder praticar sexo oral em si mesmo. Coisas que beiram o cômico, como as que dizem que ele é o ator que interpertou o personagem Paul, do seriado Anos Incríveis. E mais: que ele é apenas um cantor comercial que faz tudo só pra ganhar dinheiro. Verdade (?) seja dita, ele tem estrelado diversas trilhas sonoras em hollywood, algumas muito bem feitas, e deve estar ganhando muito com isso.



Contudo, se ele chupa o próprio pau, se ele come cocô, se ele atuou em seriados de péssima qualidade ou se veio do inferno com a missão de implantar o caos na Terra (não, esse é o Bush!!) eu não sei, e nem quero saber. O que eu sei é que ele faz um tipo de som bastante radical. Nunca ouvi ninguém dizer que acha MM "mais ou menos". Ou as pessoas adoram suas músicas, ou odeiam (as músicas e ele). Eu faço parte do primeiro grupo, claro.

O som produzido por ele trás muito do caos, da violência. Suas músicas cheias de gemidos, barulhos de estática, acompanhados de letras promíscuas, sombrias e às vezes até nonsense conseguem reunir muito bem o clima de desespero e caos em que nossa civilização existe (desde sua criação, acho eu). Não que nosso mundo seja só isso. Ainda existem as manhãs claras e bonitas, e as pequenas felicidades da vida. Ainda.

Marilyn Manson é um grande personagem que, travestido das mais criativas formas, se apresenta de uma forma diferente a cada música, cada clipe, cada álbum, cada show. Um verdadeiro mutante do rock, com vozes disformes, que variam do esganiçado ao berreiro ininteligível, passando pelo sussurro e pelo gemido. Em momentos de calmaria ele mostra coisas como Working Class Hero, para, apenas alguns minutos depois, surgir fervoroso e desesperado em Long Hard Road Out of Hell e enfim se transformar num pedido de ajuda cheio de tristeza e pesar e vingança, em Man That You Fear.

O melhor de ouvir Marilyn Manson é ter essa variação; é testar a criatividade dele a cada música, esperando atento para ver qual vai ser a próxima façanha eletrônica produzida por ele. Para os que quiserem ouvir algo mais calmo vindo dele, eu recomendo Golden Years, do mestre David Bowie. Por outro lado, quem estiver interessado em algo mais genuíno e caótico, ouça Long Hard Road Out of Hell. E tem muito mais coisas pra se ver e ouvir. Vale um bom passeio pelo Kazaa.



Nesse instante alguns de vocês devem estar se perguntando: "Você acha ele mesmo tão bom? Nine Inch Nails já tinha e fazia tudo isso que você escreveu acima. Não é novidade nenhuma!!".

Duas coisas: Marilyn Manson faz MUITAS versões de músicas e muitas são primorosas, como Sweet Dreams, da Annie Lenox e Tainted Love, do Soft Cell. Ele é muito bom nisso!!!! Segundo: no site dele, além de muita informação (nem sempre útil), ele mantém uma espécie de blog, o que o deixa bem mais próximo dos fãs e faz você perceber o quanto ele é mesmo um peronagem, bem diferente do cara que escreve no blog coisas de estúdio, curiosidades e coisas do dia-a-dia. E isso eu nunca vi o NIN fazer.

See Ya

   14.4.03

Otimismo

- Se um dia eu ficar tetraplégica e conseguir mexer só os olhos e os dedos, você me coloca na frente do computador e deixa eu jogar pra sempre?
- Nossa, que otimismo! Não seria melhor dizer: "Quando eu e você ficarmos milionários eu só vou ficar na frente do computador jogando"?
- É que eu não tomei meu remédio hoje!
- Ah!! Por isso, então.

See Ya

Hipocrisia e a casa de Deus

Poucas coisas, durante toda minha vida, me deixaram tão perplexo e aborrecido quanto o recém publicado Lexicon Católico.

Caso alguém não saiba, este Lexicon é uma espécie de livro de definições da Igreja Católica sobre temas variados, em forma de verbetes, como num dicionário. Os temas são os de cunho controverso, como aborto, sexualidade (hetero e homo) e clonagem.

Ninguém (nem eu) esperava que o Lexicon fosse dar qualquer apoio a assuntos notoriamente opostos ao dogma católico, mas o que se viu foi um verdadeiro exercício de intolerância, ignorância e hipocrisia por parte da instituição religiosa mas corrupta e sanguinária do planeta.

Depois de séculos perseguindo, torturando e matando seus desafetos; depois de episódios de dizimação de culturas, ostentação de riquezas e manipulação política, a publicação do Lexicon só vem comprovar que a Igreja Católica continua a mesma: julgando tudo e todos sem olhar para os próprios erros (ou alguém já esqueceu o caso dos padres pedófilos abafado pela vertente americana da instituição?); insultando a inteligência de seus fiéis, ao pregar regras de conduta inverossímeis e impraticáveis; praticando formas de preconceito baseadas em fatos pífios e verdades tendenciosas (como os Nazistas fizeram no passado).

Entre outras coisas, o Lexicon condena o sexo sem fim reprodutivo e também o uso de preservativos com finalidade de evitar doenças, dizendo que "não existe sexo seguro". Além disso ele encara o homossexualismo como doença e condena o uso do termo "homofobia".

Em tempos de ignorâncias como as praticadas na guerra do Iraque, a Igreja Católica contribuiu ainda mais para a disseminação da estupidez e do preconceito. Obrigado, Cardeal Alfonso López Trujillo (autor do Lexicon Católico). Obrigado, Papa João Paulo II. Espero que vocês durmam em paz à noite, pois as pessoas que defendem a liberdade de escolha e a melhoria na qualidade de vida não dormem em paz enquanto pessoas como vocês tem tamanho poder de manipulação.

See Ya

PS: felizmente a vertente sulamericana da Igreja Católica é uma das mais ponderadas e liberais e acatam sempre com criticismo as impraticáveis ordens de Roma. Já nos Estados Unidos os membros da Igreja são tão alienados quanto seus pares do Vaticano.

   12.4.03

Distraido é a mãe!!!!

Quando isso virar um blog eu vou trocar de óculos. Ou de cérebro, sei lá.

Lá estava eu saindo do Shopping Pátio Higienópolis, quase dez da noite. Eu me dirigia a um caixa eletrônico do Itáu, na Av. Higienópolis mesmo, um pouco antes do shopping.

Tá certo, podem chamar de nerd, mas eu estava pensando em como o lançamento do livro da Daniela estava legal, e já tentava formular em minha cabeça o post que coloquei no ar agora pouco (aí embaixo).

E entre este pensar e o comtemplar um pouco da agitada noite de Sampa, eu percebi que estava prestes a passar por baixo de um ponto de taxi, já deserto àquela hora. Um daqueles pontos que ficam embaixo de algumas árvores e que possuem um telhadinho. Naturalmente, me concentrei a frente do meu caminho e fui... fui pro chão.

Não é que entre duas das vigas que sustentavam o telhadinho havia um banco de madeira? Na verdade uma viga de madeira na horizontal, à altura dos joelhos, com uma dobradiça que permitia que fosse erguida e tirada do caminho. É. Mas ela estava abaixada, claro! Não me lembro do segundo exato após o tombo (certamente meu joelho direito lembra muito mais nitidamente), mas quando dei por mim, estava no chão e ouvi uma transeunte comentar "Nossa, que susto!", com sua companhia.

Preciso dizer uma coisa: eu não agüento ver pessoas caindo. Velhas, jovens, sadias, doentes, por distração, no chão, na lama, na água, sentado, de barriga para cima. Não importa. Eu simplesmente começo a rir e não consigo mais parar. E isso também inclui situações onde eu sou o acidentado.

Portanto, depois de levar um homérico tombo na Av. Higienópolis, eu levantei, quase enfartando de tanto rir e entre gargalhadas retruquei para a tal transeunte: "Você se assustou? Imagine eu, então. Nem sei onde estava com a cabeça.". E saí andando, torto como Jerry Lewis e rindo como um maluco. E então estaquei, percebendo que estava de frente para o Caixa Eletrônico.

Subi os degraus mancando e entrei na "casinha". Muito me espanta não terem chamado a ambulância do manicômio. Ou a carrocinha, sei lá.

See Ya

A nova arte de escrever

Parece só mais um site na internet. Mas não é.

Quem ainda não se envolveu nisso não consegue perceber a arte mais uma vez renascendo, os talentos e valores sendo resgatados e surgindo em meio a tantas páginas e portais e serviços. Não consegue entender de onde vem a força dessa arte e quem são seus perpretadores.

Blogs. O nome surgiu de web log, que significa registro, mais especificamente um registro colocado na rede, a Internet. Mas nem de longe são simples registros. É muito mais do que isso.

Obviamente existem Blogs ruins, de qualidade pouco comprovada, que vivem de copiar e colar informações, estilos e layouts de outros Blogs. Há também os diários, onde pessoas registram passo a passo o que fizeram em seus dias: acordei - fiz cocô - fui pra escola - vi aquela mina gostosa - almocei - fiz mais cocô - assisti tv a tarde toda - cocei o sako - escrevi esta porcaria. Deu pra entender, né?

Mas certamente há os Blogs que são incríveis de ler. Blogs que te prendem, te emocionam, te fazem rir e muito, e às vezes chorar também. Alguns deles me fazem lembrar das aulas de literatura, quando a professora falava sobre os panfletos e folhetins que foram, durante muito tempo, a forma mais comum de se contar fatos e histórias. As pessoas ficavam ansiosas e se acotovelavam para conseguir seu folhetim com o novo capítulo da história, as principais notícias, a poesia da semana.

Felizmente hoje conseguimos superar, em partes, a hora de nos acotovelarmos. Sento aqui em minha cadeira, de frente para o computador e posso me deleitar com essa nova/velha arte de escrever. Acompanhar histórias intrigantes ou engraçadas, felizes ou tristes, e experimentar o sabor de ler as idéias ainda frescas, tintas que ainda estariam molhadas se fossem deitadas sobre o papel, saídas diretamente das mentes dessa nova geração de ótimos escritores que na Internet, e também fora dela, estamos vendo nascer.

Sinceramente espero que isso inspire as pessoas a lerem mais e criarem mais. Os nossos "blogueiros" estão nos ensinando, todo dia, que todos nós podemos criar e dividir essa criação com o mundo, e o mundo lá fora só tem a contribuir com todo o repertório para que possamos criar.

Boa sorte a todos, que como eu, estão se aventurando por essa nova forma de expressar nossas opiniões, vivências, gostos e vontades, e que ainda timidamente estão ajudando a trazer cultura de qualidade de volta às nossas mentes.

See Ya

PS: inevitavelmente tive a idéia para este post depois de participar da noite de lançamento do livro da Daniela Abade, criadora do Mundo Perfeito, Depois que acabou. Fico contente por ter participado e encontrado lá outros blogueiros, pessoas muito inteligentes e sensíveis às nuances do nosso mundo superficial e banalizado (menos o Marco Aurélio, claro... HAHAHAHAHAHA). Muita sorte a todos vocês e um abraço especial para a Alessandra, que tanto acreditou e apoiou a publicação e lançamento do livro da Daniela.

   9.4.03

Um pouco de novidades!!

Resolvi melhorar um pouco os parcos e restritos serviços prestados por este blog e atualizei o menu principal (este aí no lado direito de quem entra no monitor).

Agora, na seção "Eu, ou quase" temos uma pequenina e singela foto deste humilde editor do Quando Isso. Na seção "Cinema" eu inclui links para comentários sobre os filmes que eu já assiti, e links para os sites oficiais dos filmes que eu ainda quero ver. Na seção "Blogs prediletos", eu inclui mais um blog que passei a ler com freqüência, o Mau Humor.

Agora vocês já tem coisas a mais pra ler. Leiam o blog, assistam os filmes, leiam os livros... =)

See Ya

   7.4.03

Coloca 5 Reais de gasolina, por favor?

Há quase 10 anos eu não assistia a um Grande Prêmio de Fórmula Um. Tinha me esquecido de como era divertido. Especialmente quando temos o caos regendo a orquestra!!!

É. Pimenta no Coulthard dos outros é refresco!



Acima, Rubinho tentando lembrar onde
ficava o posto de gasolina mais próximo.



See Ya

   2.4.03

Quando eu sinto aquilo...

Não sei o que é. Sei com que se parece.
Parece que vou estourar, ou então vomitar cada garfada de comida que ingeri durante o dia.
Parece que todo mundo vê, mas ninguém enxerga. Ninguém tem vontade de ver. E todos ignoram, como ignoram um mendigo com os pés e mãos enfaixadas no Viaduto do Chá, pedindo uma ajuda. Eu acabo ficando triste por ver e sentir isso. Triste porque não fiz e não faço nada. Triste por que, a despeito de todo meu desespero e vontade, eu ignoro também.

Mas agora vai mudar. Não vou mais ignorar isso. Chega de ter receio de me olhar nos olhos. Todos deveriam saber, ouvir e entender isso: todos vocês são especiais. Todos vocês são capazes das maiores proezas e conquistas. É uma pena que a maioria não veja isso. E transborde sua mente de coisas inúteis e besteiras infindáveis.

Vão adiante!!! Fiquem onde estão. Assitam ao sensacionalismo da TV sem o menor senso crítico. Achem engraçado, lírico, poético, que pessoas simplórias (ninguém entendeu "simples", né???) sejam veneradas e desejadas como se tivessem feito algo além de contribuírem com NADA para a melhoria da qualidade de vida (cultural) das pessoas.

E então eu chego neste momento, em que já comecei a dizer aos outros que eles deveria ver menos TV, ou verem melhores programas. Que deveriam ler mais livros e menos Capricho e Contigo, e se interessar por outras coisas além do Big Brother, do Datena e das novelas. E aí tudo se vai pelo ralo. Eu perco o foco. Não sei mais o que dizer e o que fazer. E volto a ignorar tudo. E fico triste de novo.

Quando as pessoas vão aprender a dar valor as suas próprias vidas? A viverem a vida de forma mais aberta, menos ignorante? A perceberem o conteúdo generoso e gratificante que certas coisas tem pra oferecer e aproveitá-lo para criar seus próprios caminhos, longe das garras e tentáculos da mídia de massa de péssima qualidade que nos assola?

Talvez um dia, quando isso virar um blog, eu veja isso acontecer e não precise mais escrever coisas como essa.

See Ya