31.12.03

Interlúdio

Isso não virou blog político, embora eu vá continuar a traduzir o Raed em 2004.

Mas eu também nunca tive muito jeito para avisos e despedidas bem elaboradas. Acabei abandonando mesmo o blog por esses dias, desde que estou em recesso de fim de ano.

Logo eu volto.

Também não desejei um bom Natal pra ninguém por aqui. Eu odeio o Natal. Deve ser a data comemorativa mais idiota já criada. Depois do McDia Feliz, claro!

No reveillon é diferente. Desejo a todos vocês, meus leitores, o melhor que 2004 possa trazer. Mas também desejo um pouquinho de coisas desagradáveis e não muito boas, pois assim, no ano que vem também posso desejar que coisas boas e ainda melhores aconteçam em 2005. E claro, algumas ruins também. Vocês entenderam...

See Ya

   19.12.03

Where Is Raed? - [Original] - 18 de Dezembro de 2003

Um dia .. DUAS MÁSCARAS ..

A PRIMEIRA MÁSCARA:

O tradutor Iraquiano
, chegando a uma escola secundária em AlAmryya para ajudá-"los" a prender estudantes. Estudantes não tem o direito de ir a manifestações.

Americanos vieram com fotos de alunos, lista com seus nomes, e os prenderam DURANTE SUAS AULAS. O diretor não pôde dizer uma palavra.


A SEGUNDA MÁSCARA:

O Iraquiano Fedayi (um dos fedyeen**) correndo atrás de jornalistas em uma das manifestações que ocorreram em Adamyya, em Bagdá, impedindo qualquer um de tirar fotos das pessoas marchando lá ...

Ele atirou em um de meus amigos .. Wasif .. em seu pé.

Muitas coisas acontecendo nos últimos dias, parece que a captura de Saddam iniciou algo.

:: raed 22:14 PM ::

** Nota do tradutor: aqui, fedyeen refere-se a iraquianos fiéis a Saddam Hussein, muitas vezes considerados os "Homens de Sacrifício" de Saddam.

See Ya

   17.12.03

Where Is Raed? - [Original] - 17 de Dezembro de 2003

hey hey hey! quem está brincando de Big Brother aqui?

Fato engraçado 1: Salam decidiu deletar meu último post sobre Saddam porque era "politicamente incorreto", e de mau gosto também.

Fato engraçado 2: Eu vou mudar o nome do site para :

RAED vs SALAM

:") deixa pra lá ..

TRÊS a DEZ anos atrás das grades, é o que eu pegarei se "eles" me pegarem comprando petróleo no "mercado negro"!!!!
Eu estava lendo isso num panfleto (cheio de erros de gramática) impresso e distribuido na última semana com meus olhos abertos .. muito abertos .. abertos esse tanto >>> OO
ANOS? não DIAS?
Senhoras e senhores , ou vocês esperam por 6 horas na fila do posto de gasolina, imaginando como manter os ladrões e as balas longe dos seus carros, ou vocês irão apreciar nossas prisões de liberdade pelo resto de suas vidas.
COMO VOCÊ OUSA COMPRAR PETRÓLEO DO MERCADO DE DISTRAÇÃO EM MASSA ??
Outras pessoas desempregadas, ou vocês param de usar e vender petróleo ou vocês serão considerados "criminosos", e as cortes do novo Iraque colocarão vocês nas celas da liberdade; camas confortáveis com café da manhã grátis.

:: raed 15:35 ::

NOTA DO TRADUTOR: eu não cheguei a ler o post deletado pelo Salam Pax. Caso alguém tenha visto este post e quiser comentar sobre ele aqui, ou tenha salvo o post e ainda o tenha e quiser repassar pra mim, eu traduzo e o coloco aqui.

   16.12.03

Quando blogs mudaram o mundo

Dentre todas as figuras que surgiram em nossas vidas desde o início da guerra comandada por George W. Bush no Iraque, acho que a que mais me cativou e me fez entender o poder da perseverança e da liberdade de expressão foi Salam Pax. Na dança macabra de soldados, civis, americanos, ingleses, iraquianos, areia, sangue, viivos e mortos, foi um blogueiro que fez a diferença.

Muitas das coisas que ocorreram em bagdá nunca chegaram à mídia, e eu tampouco teria sabido dos horrores de viver numa cidade em guerra se este homem não tivesse mantido aberto o canal de comunicação entre o inferno da guerra e o mundo ilusório e cheio de ilusões de segurança em que vivemos.

Em seu blog, Where Is Raed?, Salam Pax fez descrições horrendas e desprovidas de hipocrisia sobre a situação em Bagdá durante e no pós-guerra. Falou do real sem ser sensacionalista. Rendeu-se ao inimigo, escrevendo em inglês, para que o vôo de suas idéias e mensagens pudesse ser alçado. E durante muito tempo, quando ocorriam interrupções nos posts, eu ficava imaginando que o pior poderia ter ocorrido e que eu nunca mais iria saber sobre este blogueiro.

Felizmente ele continua ativo a agora ao lado de seu amigo Raed. Os dois alternam posts e continuam mostrando muita coisa que não chega aos noticiários. A maneira como escrevem e a perseverança de suas publicações fizeram com que eu tomasse a decisão de, a partir de hoje, traduzir os posts de Where Is Raed? para o português, aqui mesmo no Quando Isso Virar um Blog. O texto de que escolhi hoje (post abaixo) é só pra começar e tentar mostrar a forma como as coisas serão mostradas aqui. Os posts vão seguir o mesmo padrão do original, e depois deste, passarei a traduzir os posts que forem aparecendo, nas datas em que forem postados.

Não quero ficar só olhando pra tudo isso, sem saber o que fazer ou sem fazer nada. Só espero que com isso mais pessoas possam desfrutar dos fatos que ocorrem em Bagdá e entender um pouco mais do que acontece dentro do pós(?)-guerra.

See Ya

Where Is Raed? - [Original] - 21 de Novembro de 2003

eu odeio inglês.. eu odeio escrever em inglês.. deixa pra lá.. salam, você não pode imaginar as cenas em AnNasryya, isto é .. não falo só sobre o prédio italiano .. Falo de toda a vizinhança! Casas num diâmetro de 1000 metros sem janelas, portas e com rachaduras nas paredes. A explosão foi tão grande que destruiu as portas e cercas e árvores de toda a vizinhança. .. quer mais detalhes? ok :) duas pessoas cruzaram a ponte com aquele velho tanque de água (feito nos anos 50), e o "homem de barba" sentado à esquerda foi até a janela e começou a atirar nos guardas italianos e os matou, e o carro seguiu diretamente para a entrada principal do prédio, matando todos na rua e a maioria dos italianos, cabeças de soldados italianos foram encontradas centenas de metros distante da explosão! brrrrooohhh .. e alguns iraquianos foram queimados dentro de seua carros no meio da rua. O "engraçado" é que o saqueamento começou 5 minutos depois, todas as metralhadoras e pistolas desapareceram em minutos e agora você pode conseguir uma arma italiana por $250 no mercado de armas de Nasryya. Abbas (você o conhece, o dono do restaurante) viu algumas pessoas roubando um anel do dedo de um italiano morto e sem cabeça! brrrrroooohhh .. e os saques continuaram pelos próximos dias com o resto das mobílias e aparelhos de ar condicionado ,, o estranho é que todos em Nasryya estavam esperando o ataque já dois antes de ele acontecer! TODOS! policiais e políticos (dos partidos que controlam a cidade) saíram às ruas procurando PELO CARRO BOMBA, é por isso que, quando a explosão aconteceu, as pessoas se voltaram contra eles, acusando-os de não fazerem um bom trabalho "vocês só gastam nosso dinheiro em reuniões" estúpidas" .. mmm .. nisso eu acredito. (como eu posso começar um novo parágrafo aqui?) .. (ok .. considere isso um novo parágrafo) .. eu quero sapatos (como aquele preto com um buraco na sola que você tinha) e outro par de camisetas sexies.. mmm .. eu terminei com Simona .. mmm .. eu comprei uma nova Mercedes (ML 430) .. Mmmm .. me liga .. tchau

:: raed 15:50 ::

   15.12.03

A queda

Eu nunca simpatizei com Saddam Hussein. Sempre fui a favor da liberdade real e irrestrita, diferente da pregada pelo líder iraquiano, ou por seu nêmesis texano. Mas acho que na manhã deste domingo, Paul Bremer anunciou não só o início da reta final da derrota dos rebeldes iraquianos, como também uma derrota de um mundo democrático e livre perante o império de George W. Bush.

Se eu nunca desejei que os vilões desse filme B (produzido pelos americanos e protagonizado por figuras como a ONU, Tony Blair, Saddam Hussein, e muitos figurantes civis iraquianos) vencecem no final do roteiro, também nem passei perto de desejar a vitória dos mocinhos. A captura de Saddam Hussein dará força à mídia conivente para ignorar ainda mais o fato de nunca terem encontrado qualquer arma de destruição em massa. Ou nunca deixará vir à tona o que tem sido feito com os poços de petróleo sob controle americano. Também impulsionará a campanha de reeleição de Bush, mesmo que ele não precisasse disso, como não precisou na forjada eleição anterior em solo norte americano.

E se eu fosse inocente o suficiente, ainda me restaria a esperança de ver o senhor Koffi Anam declarando que Hussein deveria ser entregue às forças da ONU. Que os americanos teriam livre acesso a ele, mas que sua integridade física e mental deveria ser vigiada pela Organização das Nações Unidas. Isso seria a piada do ano, ver a cara de bosta dos americanos, tendo seu pirulito tomado de suas mãos. Isso não diminuiria a grandeza da operação de captura, nem seu impacto sobre as forças rebeldes iraquianas, mas certamente seria um golpe duro contra os americanos e sua impáfia de salvadores do mundo.

Com a queda definitiva de Saddam Hussein, cai por terra também a última esperança que eu tive um dia, de que os americanos aprenderiam algo depois dos ocorridos de 11 de setembro de 2001, e iriam repensar seu papel de invasores e destruidores de qualquer cultura não-americana. Para Saddam eu só posso dizer: você está para entrar no pior momento de sua vida, sofrer humilhações, torturas e ainda ser alienado e idiotizado pelas forças americanas. Não se preocupe: como todos nós, você também vai se acostumar.

See Ya

   14.12.03

Revolutions on Saturday

Agora pouco cheguei do cinema. Fui ver Matrix Revolutions com dois amigos. Eu me atrasei muito. Dormi. Um dos meus amigos me acordou às 23:15, sendo que eu deveria tê-lo encontrado às 22:30.

Saí feito um louco. Chegamos ao cinema às 00:00. O outro amigo estava puto. Muito puto. Acho que a idéia dele era conversarmos um pouco antes do filme. Talvez comer algo. Não deu tempo. Compramos os ingressos e entramos. Duas horas e pouco de filme. Fim da sessão.

Pensei que talvez pudéssemos fazer alguma coisa a mais. Mas um dos dois tinha dormido o filme todo. Tinha de levantar cedo no domingo. O outro ainda estava bravo. Não rolou. Peguei o carro e fui embora, pensando no que eu gostaria de ter feito nesse sábado à noite.

Não cheguei a nenhuma conclusão.

Mas sei que detestei o cinema. Sei que estraguei o passeio. Foi como sexo sem tesão. Nos encontramos, o serviço foi feito, levantei da cama, joguei uma água no rosto, ajeitei o cabelo diante do espelho. Saí sem lembrar o nome de quem estava na cama e pensando em alguém com quem gostaria de ter transado. Sensação maravilhosa. E sei que estou acabando a noite escrevendo um post "meu querido diário". Foda-se.

Bom domingo pra vocês.

See Ya

   12.12.03

E agora, Carlos?

João que amava Teresa
que amava Raimundo
que amava Maria
que amava Joaquim
que era programador,
tinha três empregos,
um dos quais para o senhor J. Pinto,
dormia 3 horas por noite
e, no máximo, batia "umazinha"
vendo vídeos da Sílvia Saint
baixados do Kazaa.
Joaquim amava sua boneca inflável,
comprada no Submarino em
dez vezes sem juros.
A boneca se apaixonou
pelo novo DVD Player de Joaquim.
Joaquim suicidou-se.
Os outros se juntaram
e formaram uma Quadrilha de scammers
Ahhh, que grande bosta é este mundo!

See Ya

PS: aqui, o original.

   11.12.03

Registros

Já faz um bom tempo e muitas coisas mudaram desde então (bem, nem tantas cosias assim), mas desde Lascaux, e até antes, registrar é algo tão intrínseco, visceral e fisiológico no homem quanto andar, comer ou dormir.

Em sua vertente mais nobre, o resgistro é uma forma memética de procriar, ou de alcançar a eternidade. De livros didáticos a peças teatrais. De cartas de suicídio a blogs. O outro lado da história, o registro mundano, é propagado em e-mails, horários, cronogramas, agendas. É o registro que nos mantêm atualizados e nos torna capazes de organizar a vida moderna.

Durante toda a vida de uma pessoa, ela não conseguiria ler, ver ou ouvir todo o resgistro criado pela humanidade em um único dia, principalmente agora que adentramos a "era da informação". E o mais bizarro, é que toda essa informação certamente se perderá, mas não o registro.

Por natureza, eu sempre registrei tudo. Ainda tenho meu primeiro conto, que escrevi aos 11 anos, e também tenho muitos cadernos onde, mesmo antes dos 11, eu anotava confidências, filmes que eu via apenas na minha cabeça, nomes para os meus brinquedos, etc...

E mesmo com tanta afinidade com o ato em si, sempre tive muita dificuldade em manter registrado fatos, tarefas e ordens que precisasse realizar. Lições de casa, pegar a chave de casa quando for para casa, botar o lixo para fora, ligar para alguém, são só alguns exemplos de tarefas e fatos que meu cérebro não guarda e que portanto eu deveria manter registrados em outro lugar.

Dono de uma hiperatividade ímpar, em breve deverei também usar registros para assegurar-me de que tranquei as portas de casa, ou para ter um lugar fixo para guardar a carteira ou os sapatos. E porque? Por que nego-me a tratar esta hiperatividade para resolver este problema.

Por que coisas assim me fazem pensar se o registro deixou de ser nosso passaporte para a imortalidade e tornou-se nosso carrasco, de quem apanhamos e somos dependentes. Por que me questiono se realmente preciso anotar tantas coisas e saber muitas outras. Será que estamos registrando demais? Será que ultrapassamos o limite de assimilar fatos e informações? Ou será que eu sou apenas mais um deficiente mental que vai viver preso a lembretes, relatórios, recados e posts?

Quando isso virar um blog talvez eu deixe de registrar e passe a entender. Deixe de assimilar e comece a absorver. Mas até lá, isso fica registrado para a posteridade.

See Ya

   10.12.03

Second Chances

Vocês se lembram desse post? Pois bem, na época poucas pessoas colocaram seus comments por lá, e é por isso que, aproveitando a chegada de Dezembro, vou reeditar esta "promoção" do Quando Isso Virar um Blog. De hoje até o dia 24/12/2003, quem deixar algum comentário neste post, ou naquele do link acima, o primeiro onde eu falei da premiação, irá concorrer a um prêmio especial do Quando Isso, no Natal. É uma forma de agitar as coisas por aqui depois de tanta calmaria, e também de proporcionar alguma recompensa a algum intrépido e persistente leitor que tem me aguentado durante todo o tempo de vida do Quando Isso.

Enfim, aproveitem o espírito Natalino e concorram ao prêmio.

See Ya

   2.12.03

Pedido especial

Se você nunca veio aqui. Se você vem todos os dias. Se vem só pra fazer uma social. Se vem porque adora este blog.

Se você me adora, ou se me odeia, se me acha feio, ou bonito. Se gostaria de me dar um beijo, ou se queria mesmo é esmagar minha cabeça com uma pedra.

Se você digitou no, Google, "bombas caseiras" ou "piercing na buceta" ou "jdnmeks kemnsjs erujdnm" ou "filmes alternativos" ou "Marilyn Manson" ou até "Fabricio" para chegar aqui.

Se é humano, ou Zilunghiano, ou se é um cachorro, ou um gato, ou um gafanhoto, ou o Jan, ou o JP.

Se tem menos de 12 anos, ou mais de 90, ou entre os dois, ou até mesmo se você tem 1652 anos e vive escondido nos esgotos de Veneza.

Negro, branco, amarelo, azul, verde, gay, straight, bissexual, pansexual, evangélico, católico, ateu, agnóstico, satanista, nudista, pudíco, puta, filho da puta.

Seja você quem ou o que for, cruze seus dedos, patas, antenas, pêlos, tentáculos, presas.

E deseje-me sorte. Muita merda e que eu quebre a perna em tantos lugares que vou precisar de uma nova!!!

Eu vou precisar!!!

See Ya