30.8.03

Idéia Coletiva

Algo que deve estar passando pela cabeça de todo blogueiro online neste momento, e que usa, ou visita algum blog que usa o sistema de comentários do www.comentar.com.br:

"Daniel, CADÊ VOCÊ, HOMEM DE DEUS???"

See Ya

Cenas de uma vida absurda

Como muitas outras pessoas (eu acho), ontem eu recebi uma correspondência do Banco Itaú. Uma carta simples, daquela que anuncia produtos que fazem a gente gastar mais e ainda achar que saímos na vantagem.

Pois bem, eu não ia comprar porra nenhuma que eles estivessem querendo vender, mas achei o design da carta interessante. O envelope em si já era a propaganda, e na parte esquerda inferior de uma das faces do envelope fizeram uma "janela" no papel, de forma que era possível ver um outro papel no interior do invólucro.

Pois bem, este papel de dentro tinha preso nele uma pequena aba que se projetava para fora da face do envelope, e que ficava junto da lateral esquerda dessa "janela". Deu pra entender? Não? Então tá, eu desenho



Bom, a parte "F" estava colada na parte "E" com uma fita adesiva e se parecia com um botão desses vistos na Internet.

Na parte azul estava escrito "Você vai alcançar a tecnologia dos seus sonhos". Eu queria tirar a fita pra poder correr a parte do fundo e ver o que estava escrito logo abaixo. E então começou a luta. Era puxar fita daqui, forçar a aba dali, e nada dessa droga abrir. Virei e mexi o envelope e nada. Fui tentando e tentando com jeitinho, até que... rasguei a aba.

Inferno!!

Mas obviamente eu não ia desistir. Com a aba rasgada, mas descolada, eu poderia empurrar o papel da frente com a mão, sem usar a aba. E fiz isso um pouco, mas logo o papel começou a emperrar e nada de eu ver o que estava escrito embaixo. Concentrei-me por um segundo, coloquei a mão por baixo do papel de cima e puxei com toda a força. Obviamente arranquei o papel de cima e finalmente, com o envelope todo amasado e rasgado entre as mãos, pude ler claramente o que estava escrito na parte de baixo:

"De um jeito tão fácil quanto mover este botão"

Ainda gargalhando, eu joguei a porra do envelope no lixo e fui dormir!!!! Parabéns ao pessoal do Marketing do Itaú, pela ótima piada de mau gosto.

See Ya

   27.8.03

História de mau gosto

ATENÇÃO: não leiam essa história. Ou leiam por sua conta e risco.

Clarice saiu saltitando de dentro do Instituto de Química da USP. Havia passado na disciplina de DNA Recombinante. E ainda mais. Seu orientador havia aceito sua idéia para desenvolver sua tese num assunto que ela adorava: sequenciamento de genes do agente causador da Malária. Ela estava radiante.

Desceu até o ponto de ônibus e ali esperou que sua condução chegasse. O ônibus demorou, mas nada importava, pois Clarice estava muito contente. Quando o ônibus finalmente parou no ponto, ele subiu, passou pela catraca e ajeitou-se em seu acento. O ônibus estava quase vazio.

Então ela reparou que um rapaz a observava atentamente (pra não dizer que babava nela!!). Obviamente isso a deixou um tanto confortada, com o ego inflado momentaneamente. E não só porque o rapaz era bem apessoado e a olhava com uma discrição incrível. Mas também por que isso significava que ela estava mais bonita. Mais satisfeita com o próprio corpo, por assim dizer. Já havia 8 meses que ela terminara sua dieta e desde então repousara confortavelmente em seu peso ideal e mantinha seu corpo da forma como gostaria, tirando uma coisinha ou outra, claro (mulheres NUNCA estão satisfeitas nesse quesito).

Por um instante ela deixou sua mente divagar sobre sua própria beleza, sua capacidade de atrair e então ela lembrou-se de Rogério. Ele era seu noivo. Um rapaz muito determinado, que aos tenros 26 anos já possuia sua própria empresa, pequena é claro, mas com oportunidades bastante promissoras. E ela o amava muito além disso: Rogério era muito carinhoso, atencioso e muito bom de cama. Claro que existiam problemas também: por vezes trabalhava demais e parecia amar mais a empresa do que sua noiva; e Clarice nunca colocaria a mão no fogo pela fidelidade de seu noivo. Mas eram felizes. E iriam se casar no início de janeiro, dali a 2 meses.

Finalmente o ônibus chegou ao bairro da Liberdade, onde Clarice sempre descia. Ela lembrou-se que seu pai adorava alguns docinhos orientais que se podia encontrar por ali e como a relação entre eles tinha melhorado muito desde que ela saíra da adolescência (chegando a felicidade de os dois, só os dois, irem passar um final de semana se curtindo na casa de um tio), ela decidiu comprar um pouco para fazer uma surpresa, e toda feliz foi descendo do ônibus e já procurando a lojinha com os olhos.

Não viu que o ônibus parara longe do meio fio, e que outro ônibus se aproximava. A pancada foi fatal. E em dois segundos, um corpo de 60 Kg, inteligente e feliz estava espalhado por mais de 6 metros de asfalto. Clarice morreu. E deixou de existir como se nunca tivesse pisado sobre a superfície do planeta.

See Ya

PS: agora levanta a bunda daí, reinicia o cérebro e vai dar um beijo (ou um oi, ou um telefonema) em algumas pessoas que são importantes pra vc, vai!

   26.8.03

Amizades Redirecionadas

Dentre todas aquelas mensagens horríveis com conteúdo politicamente correto e/ou "bonitinhas" que as pessoas insistem em mandar pela Internet (desde aqueles "Ditado Chinês" até os "Tô Fomi, Tô Xixi"), as que eu mais odeio são as que falam sobre amigos e amizades.

Ver o sentimento humano que eu mais venero e admiro banalizado por mensagens imbecis ("envie ente post para todos os seus amigos e se alguém te responder vc saberá que esta pessoa é sua amiga") é, pra dizer pouco, revoltante.

Eu já discuti com muita gente que envia essas mensagens, mas com o tempo deixei de fazer isso, pois fazer essas pessoas se tocarem que é melhor não escrever nada ou esperar um bom momento ou uma inspiração para escrever para um amigo com sentimentos verdadeiros é muito mais complicado do que simplesmente apertar a tecla "DELETE" no meu teclado.

Enfim, as pessoas conseguiram enlatar e banalizar até mensagens de carinho e apreço. É como se eu fosse ao supermercado e levasse um pouco de Carinho fabricado pela Gessy-Lever, ou porções de Afeto da Coca-Cola Company. É sentimento em lata, forwarded friendship. Eu abomino isso.

E vagando por aí acabei por encontrar duas formas muito diferentes de descrever a amizade. Gostei das duas definições e decidi colocá-las aqui:

"Uma das principais funções de um amigo é suportar (sob forma atenuada e simbólica) os castigos que nós gostaríamos, mas não temos possibilidade, de infligir aos nossos inimigos" - Aldous Huxley - Admirável Mundo Novo

"O grande amigo não é o que vem separar a briga, mas sim aquele que chega dando voadora" - Autor Desconhecido


Pelo menos as duas citações acima são autênticas (e até verdadeiras), diferente do monte de baboseira que entope nossas caixas de mensagem diariamente.

See Ya

PS: Esse post eu dedico aos Estúpidos, ao Pedro, à Lúcia, ao Marcelo Barros e a tantos outros grandes amigos que tenho feito em minha vida. Um beijo pra todos vocês.

   25.8.03

Falta do que fazer?

Um comentário rápido: muito obrigado aos quatorze internautas que passaram aqui no Quando Isso Virar um Blog neste domingo, dia 24/08. Fico muito feliz por estarem lendo meu blog cada vez mais e espero que estes visitantes, em especial, tenham gostado do que viram e leram. Mas....

VOCÊS NÃO TEM MAIS O QUE FAZER, NÃO? PORRA, NEM EU VENHO AQUI AOS DOMINGOS. UM DIA BONITO, DE SOL E CALOR E VOCÊS VIERAM AQUI?? AHHHHH... GET A LIFE, YOU ALL!!!


See Ya

Pânico em SP

Domingo a tarde fui acompanhar uns amigos até a porta de casa quando vi um grupo grande, de umas 10 pessoas, de Mensageiros da Palavra de Deus passando pela minha rua.

Um pouco mais tarde enquanto eu estava no banheiro, ouvi passar na rua um outro grupo grande de pessoas, mas dessa vez elas tocavam cavaquinho e cantavam em alto e péssimo som alguns pagodes bem conhecidos.

Mensageiros da Palavra de Deus e Pagodeiros!! Minha rua está cada dia mais perigosa. Fico pensando no tempo em que o maior problema da rua onde eu morava era uma boca de fumo na esquina.

See Ya

   23.8.03

Universo num lampejo

Deus existe.

Toda nossa existência, nosso mundo, nossas vidas e tudo que as completam foi criado por Ele.

Nosso universo, no entanto, é um lampejo. É o circular de infintos neurônios celestiais em Tal privilegiada mente. A simples descarga de uma sinapse criou o céu e a Terra. Criou a escuridão e a encheu de luz. Criou o ser humano.

E não foi diferente comigo. Mas eu me nego a deixar acontecer. Eu vou ser aquele lampejo que não se esquece. Aquele pensamento que Você teve uma vez, mas que ainda Se lembra e que ainda te incomoda.

Como aquele neurônio que insiste em guardar a lembrança de um pensamento eu vou navegar cada vez mais fundo na Sua mente e vasculhar cada canto sagrado de cada espasmo neuro-químico-celeste que criou nosso mundo e nossa existência.

De pensamentos como eu não se livra facilmente. Eu sou a veia do derrame, o neurônio da epilepsia, o nervo do arrepio, o espasmo da dor de imaginar que Você podia nunca ter pensado em mim.

E agora este pedaço de memória insolente e que não se desfaz consegue entender por que vivemos dentro de um nevoeiro infinito, envolto em nuvens também criadas por Seus momentos de insanidade. É por que isso tudo é Sua imaginação, não é? Enfim, é tudo mentira.

Então entupa-se de calmantes e tente fugir da lucidez que eu sou, pois nem dormindo em seu sono sagrado este pensamento aqui será desfeito. Cavalgarei Seus neurônios e te enlouquecerei, antes que você consiga conceber outro mundo com a simples força do pensamento.

Deus existe. Nós é que não.

See Ya

   21.8.03

Fazer arte

Dois posts atrás eu coloquei aqui as opiniões e comentários da Elacoelha sobre a arte na internet. E para não deixar aquele post muito grande e desestimulante, eu resolvi não colocar lá a minha própria opinião sobre o assunto.

Eu tenho feito layouts para a internet há pelo menos 3 anos. Mas já adianto que não sou artista gráfico. Minhas habilidades com esta vertente da arte limitam-se a conhecer e saber usar muito bem programas para desenvolver webdesign, layout, etc...

Contudo, eu dificilmente consigo, talvez por ser programador, olhar para a arte na internet e ver apenas a questão do design. Estamos falando de um meio totalmente interativo, que fala diretamente ao indivíduo e que coloca em jogo não só os sentidos do usuário, mas também seu raciocínio e sua capacidade de entender contextos. Justamente por isso, quando eu olho para arte na internet eu também acredito que ela deva ser funcional e utilizável, além de bonita.

E se na área do design estamos ainda sem um artista-referência, ao adicionarmos a isso a usabilidade e a navegabilidade, acabamos com um resultado ainda pior, pois são raríssimos os casos de uma boa parceria entre design e funcionalidade.

Enfim, acredito que em breve veremos surgir uma "classe" de artistas que poderão revolucionar ou inovar claramente a arte na web. Por outro lado, eu espero que esta nova "casta" esteja preparada também para lidar com as exigências de uma arte que pouco lembra o que já tivemos até hoje na humanidade. Estejam preparados para enfrentar não só a questão da navegabilidade e da usabilidade, mas a possibilidade de desenvolver layouts que possam interagir com o usuário, ao invés deste só mexer com a informação contida numa página ou aplicação web.

Claro, isso já entra em outros ramos da arte, apontando para a arte interativa, personalizável e que é capaz de envolver o usuário de forma completa. Mas se eu for falar disso agora, seu chefe vai acabar percebendo que você está tempo demais olhando para a tela com cara de bobo. Então vou parar por agora.

Tanto eu quanto a Elacoelha temos mais coisas pra discutir dentro desse assunto. E aí, vai encarar?

See Ya

   20.8.03

Recompensas

O Quando isso já tem 5 meses de existência. Eu tenho pouca coisa escrita para um blog com essa idade. Mas não estou aqui hoje para discutir o quanto eu escrevo ou deixo de escrever. Vim dizer que o Quando Isso me deu um presente.

Ontem [18/08/2003] uma amiga minha, a Daniele, me escreveu um e-mail pedindo autorização para levar um dos textos publicados aqui para uma aula. Ela disse que o texto, ou trechos dele, combinavam com o que iam discutir na já citada aula.

Obviamente eu permiti que ela levasse o texto, só pedindo para ela colocar que a fonte é este humilde blog.

Independente de citar a fonte, quero dizer que ela, seu pedido e meu texto deram a mim um grande presente. É muito bom saber que o que eu escrevo tem certo valor para os que lêem.

Além desta, muitas outras vezes leitores comentaram que texto tal ou passagem tal os fizeram questionar, pensar, exergar ou querer mudar alguma coisa em suas vidas. Porra!! O que mais um escritor amador pode querer de seus escritos?

Claro que muitos de vocês podem achar meu contentamento precoce ou infantil, afinal, se eu estou escrevendo aqui, deve ter algum motivo. Mas quero dizer que nunca havia escrito para um público antes e que dada a quantidade de blogs e publicações de péssima qualidade que rondam a internet e a mídia em geral, ter um reconhecimento positivo é muito bom.

Enfim, esta era (e ainda é) a minha tarefa quando decidi criar o Quando Isso. Fazer com que os que passarem por aqui possam refletir sobre sua existência. Possam questionar as coisas que vêem e possuem. Possam discutir com outros e consigo mesmo os caminhos que tomam e os resultados que isso produz. Meu blog é um espelho. Nele eu reflito tudo que há em mim, seja bom ou ruim, feio ou bonito. E agora eu começo a descobrir que mais pessoas se reconhecem e se percebem ao olhar para este espelho e enxergarem um pouquinho de si mesmas.

Mas, parando com esta auto-adulação, queria agradecer mesmo a todos que vem aqui, e em especial a Daniele Galante que me ajudou a perceber o que acabei de expor aí acima.

See Ya

   14.8.03

Criatividade digital

Quem sabe, sabe, né? Olha só o comentário da Elaine (minha amada co-piloto) sobre arte na internet.

"Sobre layout: toda criatividade que a arte, mesmo a publicitária, teve e continua tendo nas várias áreas (pinturas, esculturas, ilustrações, outdoors, fotografias e até mesmo na sétima arte) por séculos e séculos, parece não ter sido suficiente para preparar o homem para a arte na internet.

Há alguns anos, quando a internet era muito mais elitizada do que é hoje, a maioria dos layouts utilizava o recurso do fundo preto para que tudo que fosse inserido sobressaísse e ainda assim fosse mantido um aspecto sóbrio. Era comum ouvir exclamações de internautas que ao abrirem páginas como essas acreditavam que estavam diante de um trabalho profissional. Como toda tendência, tornou-se repetitiva e cansativa após certo tempo e começaram a surgir os layouts monocromáticos, dando preferência aos tons azuis.

O acesso à internet já era mais abrangente e nessa fase era bastante comum abrirmos páginas de empresas que combinavam tons sobre tons explorando, no máximo, duas cores no mesmo layout. Geralmente as cores que marcavam o logotipo da empresa. O fundo cinza azulado também foi muito utilizado nessa época.

Felizmente durante todo esse período, novos programas de arte digital surgiram e possibilitaram mais ousadia dos verdadeiros artistas webdesigners. Um exemplo desses programas é o Macromedia Flash.

Mas o que parecia servir como uma ferramenta de enriquecimento da arte digital, tem se resumido à parcas janelas com animações infantis dentro de um layout muitas vezes pesado, em que milhares de informações são exibidas simultaneamente, imitando (acredito eu, sem intenção) uma metrópole e toda sua poluição visual, afinal, quem quer todo esse lixo entrando em suas casas ou ambiente de trabalho todos os dias?

Desse excesso de informações numa mesma página, surge, em contrapartida, os layouts que se auto-denominam "cleans". Atualmente a maioria das páginas que possuíam o antigo layout de fundo preto já citado, estão utilizando fundo branco. Agora fica perceptível o quanto existe no mercado webdesigners que não entendem nada de arte e quantos artistas existem que não entendem nada de programas de arte digital.

É possível chegar a esta conclusão por um simples motivo: nem todo layout com fundo branco é "clean", nem todo layout com fundo preto é sóbrio. Essa é uma crença simplista de pessoas que estudaram muito pouco (ou nada) composição, equilíbrio, simetria e cores na arte gráfica.

Entretanto, vale esclarecer que as palavras acima não se aplicam a todos os sites. Existem exceções, embora nenhuma realmente digna de ser citada. Principalmente por que, nesses casos, geralmente a beleza na arte acarreta problemas de navegabilidade do site.

Enfim, espero pelo surgimento de nomes realmente talentosos, que se destaquem com merecimento na arte voltada para layouts. Procura-se o novo, mesclado com o clássico e apoiado na tecnologia. Todas as ferramentas para que isso ocorra já existem. Só continuo aguardando.

Ahh sim! Não se impressionem se daqui há alguns meses a maioria dos layouts estiverem com uma aparência futurista, metalizada ou até mesmo cibernética. Essa é só mais uma tendência que se tornará cansativa. Definitivamente o Leonardo Da Vinci da arte na internet ainda não surgiu."

See Ya

   13.8.03

Tédio

A sensação é de paralisia cerebral.
Milhares de acontecimentos. Cenas passando a 48 frames por segundo.
Observo. Contemplo o caos do cotidiano e a vertiginosa passagem da vida.
Como se isso pudesse animar um cadáver que ainda pensa estar vivo.

Enquanto isso a poderosa e inexorável areia escorre por meus dedos.
E nem o estrondoso ruído da queda das areias do tempo é capaz de despertar minha atenção.

Sou agora não mais que um expurgo.
Um coágulo estacionado diante da pressão sangüínea arrasadora.
Observando.
E nem mesmo 1000 vezes essa pressão podem fazer meus olhos abrirem.

Enquanto isso a poderosa e inexorável areia escorre por meus dedos.
E nem a queda estrondosa de minha atenção é capaz de despertar as areias ruidosas do tempo.

Humanos morrem de fome num lugar.
Humanos disperdiçam suas breves vidas em todo lugar.
Uma guerra explode em qualquer lugar.
E isso nada muda. Por que é tudo sempre tão igual?

Enquanto isso a poderosa e inexorável areia escorre por meus dedos.
E nem o despertar do tempo do ruído arenoso é capaz de cair na atenção estrondosa.

E fosse este meu fim, seria também o começo.
Pois nada é tão igual quanto dois dias diferentes.
E quando (não) faz diferença, todos os dias são iguais.
Mas quem se importa?

See Ya

   10.8.03

Nada, pra variar II

Sabe aquelas vezes em que você tem uma droga de sábado só pra te lembrar o quanto você está puto com os caminhos que está tomando?

Então.

See Ya

   9.8.03

Nada, pra variar

Sabe quando você fica uma semana inteira pensando em algo que te dê inspiração, ou esperando aquela idéia ótima chegar e ela não chega?

Então.

See Ya

   2.8.03

Fator de Proteção 0

Bom, finalmente parei de enrolar e dar desculpas e definitivamente voltei a dar as caras lá no Wear Susncreen. Ta vendo este blog aqui, na sua tela? Então, fecha e vai lá agora!

See Ya

Ler para crer

Vejam bem, eu sou completamente a favor do homossexualismo (algo como ser o S, no GLS) e definitivamente apoio os movimentos de beijaço que estão se multiplicando pelo Brasil, criados por diversas associações gay.

Dessa vez, neste domingo (03/08/2003), o beijaço vai acontecer no Shopping Frei Caneca. O beijaço vai ocorrer no mesmo local onde dois rapazes foram importunados por um segurança do shopping por estarem se beijando em público, como qualquer casal de namorados.

Aí eu estava pesquisando sobre este evento e achei esta pérola que está logo abaixo, aqui. Não tive como não perceber (hehehe)! Vão ser sarcásticos (ou maliciosos) assim lá embaixo....



Não vai dar pra falar mais nada sobre essa matéria.

See Ya